No dia 15 de agosto de 2020, o Google anunciou ter aderido ao Transparency & Consent Framework (TCF) v2.0 do IAB Europa, adaptando suas soluções de publicidade às especificações deste protocolo para privacidade de dados. Esta é uma importante novidade no mundo da publicidade digital. Neste post do blog, descobriremos as consequências dessa integração e, em particular, quais mudanças ela implica aos publishers.


Índice


O que é o TCF v2.0 do IAB

Após a implementação do GDPR (conjunto de regras que harmonizam e fortalecem a proteção de dados para indivíduos em toda a Europa) em 2018, o IAB Europa desenvolveu uma ferramenta chamada “Transparency and Consent Framework”, que representa um padrão de referência para coletar facilmente o consentimento dos usuários e compartilhá-lo com o resto da cadeia de suprimentos. Especificamente, por meio do framework é possível comunicar aos usuários quais dados foram coletados sobre eles, como o site e seus fornecedores pretendem usá-los e quais fornecedores os usarão. Para cada um desses itens, o site poderá obter autorização ou rejeição e, essa decisão do usuário será então compartilhada com os demais atores do ecossistema publicitário. Desde o dia 15 de agosto de 2020, está em vigor uma versão atualizada do Framework denominada TCF v2.0, que envolve uma série de enriquecimentos em relação à edição anterior, como a possibilidade de os consumidores autorizarem ou negarem o seu consentimento para a coleta e processamento de dados, e também para exercer o “direito de objeção” ao uso de tais informações pessoais.

Você encontrará mais informações sobre o que é o Transparency and Consent Framework v2.0 e porque ele é importante para o GDPR neste post do blog.

O Google se junta ao TCF v2.0 do IAB. O que isso significa?

Após participar, junto com o IAB, na realização do TCF v2.0, o Google decidiu adotar o novo framework. Portanto, iniciou um processo de integração com os standards do IAB, que será aplicado à publicidade veiculada por meio de suas ferramentas nos inventários dos publishers. O que isso significa? O Google explica: “Vamos começar a ler e passar a sequência de código de Transparency and Consent (TC) para todas as solicitações de publicidade”, verificando se esta sequência de códigos está em conformidade com os standards do TCF v2.0.

O que muda para os publishers

Essa integração se aplica aos espaços publicitários de publishers que usam o Google para a monetização de seus sites e/ou aplicativos e, portanto, requer alguns cuidados para que as linhas realmente cumpram o standard IAB. Como acontece em todas as transições, os publishers devem realizar uma série de verificações em seus métodos de coleta de consentimento para o uso de dados. 

Para ajudar os publishers nesse processo de verificação, desde o dia 15 de agosto de 2020, o Google oferece um chamado “período de carência” de 90 dias. Durante esse período, os publishers podem verificar se a implementação do TCF v2.0 está funcionando corretamente e, se necessário, resolver quaisquer problemas não resolvidos.

Como funciona o “período de carência” de 90 dias do Google

Veja como funciona o período de carência de 90 dias do Google. Em primeiro lugar, o Google notifica os publishers sobre possíveis erros na string TC associada aos seus sites e/ou aplicativos, enviando um relatório dos erros detectados nos últimos 7 dias. Em seguida, os publishers terão um período de 90 dias para solucionar esses erros e configurações incorretas. O período de carência pode variar dependendo do tipo de erro detectado.

Existem 5 tipos diferentes de período de carência:

  • Período de carência 0: ocorre quando os publishers configuram incorretamente seus CMPs e não enviam uma string TC válida;
  • Período de carência 1: quando existem falhas significativas na string TC;
  • Período de carência 2: quando os publishers se integraram ao TCF v2.0 antes que o Google fosse incluído na lista de fornecedores globais do IAB. Nesse caso, o Google exige que os publishers obtenham novamente o consentimento;
  • Período de carência 3: no caso de strings de TC que incluem fins de uso de dados não especificados;
  • Período de carência 4: quando um usuário optou pelo recurso especial 2 ou o publisher trabalha com fornecedores registrados para o recurso especial 2.

Para cada um desses problemas, o Google exige ações específicas. Neste nosso guia, você pode encontrar mais informações sobre possíveis erros e a melhor maneira de corrigi-los.

O suporte certo

É fundamental que os publishers tenham o suporte certo para navegar nessa transição, com soluções que lhes permitam estar em total conformidade com o GDPR de forma simples e flexível. A Clickio foi um dos primeiros parceiros a oferecer uma ferramenta de gerenciamento de consentimento, o Consent Tool da Clickio é capaz de coletar e gerenciar consentimentos de usuários de forma rápida e fácil e totalmente em conformidade com a estrutura IAB. Na verdade, a Clickio está oficialmente registrada entre os Provedores de Gerenciamento de Consentimento do IAB e está entre os primeiros CMPs a passar em todas as verificações de conformidade para Transparency and Consent Framework (TCF) v2.0.

Se você quiser mais informações sobre a ferramenta de consentimento da Clickio, dê uma olhada neste site ou entre em contato conosco.